A Zona de Conforto preocupa. Mas a “Zona de Desconforto” derruba.

Um dos grandes dilemas de carreira de qualquer profissional é a sensação de estar aprendendo menos. Por consequência, evoluindo mais devagar. É o medo de ficar para trás na sua trajetória. Trata-se da temida zona de conforto, que torna seu dia a dia mais previsível e tranquilo por um lado. Mas por outro lado preocupa o futuro profissional, seja na organização em que atua, seja perante o mercado.

É muito importante monitorar o momento em que esta situação passa a incomodar e buscar resolvê-la, através de reciclagem, cursos, movimentações internas ou até mesmo uma ruptura com seu atual empregador.

Mas algo que ninguém comenta e que acomete muita gente, especialmente em momentos de incerteza, é o termo que decidi chamar de “Zona de desconforto”. Aquela sensação de que suas competências não são reconhecidas ou eficazes, associado a uma preocupação excessiva de perder o emprego a qualquer momento.

O cenário econômico atual, além de ter produzido muitos desempregados, produziu um grande número de pessoas que hoje “sobrevivem” nas corporações, desmotivados, preocupados e improdutivos. É a prisão da zona de desconforto. O medo de arriscar e a baixa auto estima tem trazido improdutividade a muitas organizações. Organziações essas que já cortaram na carne e sabem que, se cortarem mais gente, correm o risco de não conseguir repor a posição.

O que fazer neste caso? Parece uma armadilha difícil de escapar. Bem, as dicas deste post vão para quem sempre busco alcançar por aqui: Os profissionais.

Primeiro sempre lembre do que fez você chegar ate aqui. Qualidades que credeciaram você, profissional. Seu mérito. Nenhuma empresa promove ou contrata alguém por pena. Tente recuperar sua auto estima rapidamente.

Em segundo lugar, tente se aproximar de gente positiva. Otimismo neste momento é fundamental. Você renova as esperanças e consegue aprender mais e melhor quando enxerga futuro no que está fazendo.

E, por último, sempre muito importante, mantenha um diálogo franco e aberto com seu gestor. Ele pode também viver um momento difícil na sua função e, conhecer este tipo de desconforto de forma antecipada, pode ajudar este gestor ou gestora a rever a maneira com que a empresa tem reconhecido (ou não reconhecido) seus colaboradores.

Por isso, não tenha medo apenas da zona de conforto, mas principalmente da zona de desconforto. Ela pode drenar rapidamente sua energia e transformar aquela simples desmotivação que a zona de conforto pode causar em uma profunda depressão, de longa e difícil recuperação.

Reverta enquanto há tempo. Depende de você.

https://www.linkedin.com/pulse/zona-de-conforto-preocupa-mas-desconforto-derruba-sergio-sabino?trk=mp-reader-card

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s