Você perderá os seus melhores talentos. Em breve.

A coisa não está fácil. Diversos ajustes na máquina pública desencorajam novos investimentos e consequentemente o crescimento que ainda esperamos ver este ano.

Quando o crescimento não vem, as pessoas e organizações apelam ao inapelável para tentar se proteger do fantasma do desemprego, da recessão, do conflito, de dar as más notícias.

Uma “muleta” tradicional nesta fase é a (falsa) percepção de queda no turnover espontâneo. Algo óbvio. Afinal, quanto menos aquecido é o mercado, menos pessoas se movimentam.

Isso é apenas uma reação natural e conservadora a um mercado hostil, de baixo investimento e poucas oportunidades.

A segunda (consequência direta da primeira) é acreditar que, por esta razão, não é necessário investir em engajamento e retenção. Isso reflete o instinto de sobrevivência que as organizações enfrentam, pensando apenas no próximo trimestre e não na próxima década da empresa.

Uma reação imatura que fomenta a incerteza, incentiva a baixa produtividade e pode decretar o fim da competitividade da organização. Um futuro que passa a ser obscuro.

Não tem nada pior para uma empresa do que não ter e não vender expectativa aos seus colaboradores. Não ter uma visão clara do futuro. 

Um ano de baixa atividade econômica é ideal para investir, especialmente na retenção, por diversas razões:

1. Os seus melhores talentos pensarão duas vezes em qualquer movimentação neste momento. Você terá tempo de convencê-los a ficar, fazendo a coisa certa;

2. O mercado ainda não reagiu. Mas está cada vez mais perto disso. Quando acontecer, se você estiver protegido com as ações de engajamento em curso, seu risco de perda será menor;

3. Os valores a investir em anos difíceis tendem a ser muito mais convidativos;

4. Você certamente sairá na frente de competidores potenciais pelo talento. Em um momento de retomada, isso fará toda a diferença.

Negócios bem sucedidos percebem as tendências e se movimentam antes dos demais. Isso refletirá maior comprometimento e preservação do capital intelectual, fazendo a sua empresa dar um salto de produtividade, turbinando os resultados em um curto espaço de tempo.

Mas é preciso pensar nisso hoje, agora, neste minuto. Não perca tempo.

Não perca seus melhores talentos. O custo de reposição vai muito além do recrutamento.

E não subestime a sua marca empregadora. Se você não investe nela, não está investindo em nada.

Boa sorte!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s